Problemas de aneurisma na terceira idade

Por incrível que possa parecer, o aneurisma atinge muitos jovens, porém não podemos negar que a preocupação é maior entre os pacientes que chegaram à terceira idade. A taxa de mortalidade depende da localização do problema, a extensão da ruptura e a rapidez com que é tratado. É importante ressaltar o fato de que os aneurismas cerebrais são os mais comuns, já que normalmente são congênitos e causados por diversos fatores, tais como pressão alta, trauma ou tumor.

Aneurisma em IdososEm muitos casos, a cirurgia é a melhor alternativa, por isso é fundamental conhecer uma clínica vascular de confiança e se certificar de que o procedimento seja realmente o mais indicado. É essencial ter em mente que um aneurisma pode ser causado por doenças ou lesões acidentais, porém algumas pessoas são geneticamente predispostas a tê-lo devido à má elasticidade das artérias.

Geralmente, os problemas de aneurisma na terceira idade são causados por uma vida desregrada ao longo de muitos anos, ou seja, sem controle da pressão arterial, abuso de álcool, extensas experiências com drogas, infecções sanguíneas e mais.

Dependendo da situação, o aneurisma pode passar despercebido, já que podem não apresentar sintomas até que ocorra uma ruptura da artéria. Por exemplo, a dor de cabeça é o sintoma mais comum de um aneurisma cerebral, mas muitos ignoram esta condição, optando por tomar um remédio e descansar.

Se você sentir dor de garganta, no rosto, visão turva, dificuldade em falar ou apresentar intensa dor de cabeça, você deve consultar o seu médico imediatamente. O Instituto Belczak (www.institutoendovascular.com.br) é bastante indicado para quem sofre de doenças vasculares, e conta com corpo clínico altamente especializado.

Assim que descoberto, alguns exames serão solicitados (ressonância magnética ou tomografia computadorizada). Para evitar qualquer problema no futuro, realize periodicamente check-ups, principalmente se algum parente já teve aneurisma.

Por fim, as opções de tratamento podem incluir medicação para reduzir a pressão arterial ou mesmo uma cirurgia vascular pode ser necessária, dependendo apenas da saúde geral do paciente.